sábado, 30 de abril de 2016

À porta da História - RTP



«A série documental que aqui apresentamos traz para o domínio do grande público 13 portugueses que se destacaram no seu tempo e, através das suas ações e/ou da sua obra, conquistaram um lugar na galeria de notáveis. Acima de tudo, são personalidades com percursos inesperados e cheios de curiosidade que nos vão entusiasmar. Personalidades que, por vários acasos do destino, foram deslizando para uma zona obscura do mediatismo histórico. Foram notáveis. Fizeram obra. Muitos deixaram seguidores e influenciaram as gerações seguintes. Mas são, hoje, pouco recordados nas efemérides, nas comemorações, nos manuais escolares, nas páginas de jornais - enfim, na nossa agenda mediática coletiva.»

CLIQUE nos episódios!

1896-1958
jogador, treinador e jornalista desportivo
co-fundador do jornal ABola
«Cidadão do mundo, defensor da liberdade até às últimas consequências, sai do campo de concentração para o campo de futebol. Alentejano, antifascista, funcionário dos CTT, jornalista, jogador, treinador e selecionador nacional, Cândido Fernando Plácido de Oliveira torna-se um espião valioso para os Aliados durante a 2ª Guerra Mundial. Toda a sua vida é uma corrida contra o tempo, mas com que vida é que entra na História?!...»

1894-1981
cantora lírica
autora do muito popular manual de cozinha portuguesa, O livro de Pantagruel
«Numa época em que as mulheres estavam destinadas a serem apenas donas de casa, esta mulher nascida em Moçambique, empreendedora e irreverente, estuda música, viaja pela Europa, lança uma linha de cosméticos e muda para sempre os hábitos culinários dos portugueses. Esta é a história de Bertha Rosa-Limpo, cantora lírica e senhora da alta sociedade lisboeta que não sabia estrelar um ovo quando se casou e que criou o "O Livro de Pantagruel", o manual de cozinha mais popular do séc. XX português.»

1992-1978
economista e professor universitário
estudioso da presença judaica em Portugal
«Economista, intelectual, apaixonado pela História, Moses Bensabat Amzalak, nascido em Lisboa em 1892, tem o grande sonho de trazer mais indústria e saber a um país essencialmente agrícola e cinzento.»

1891-1946
guitarrista e compositor de fado
«O fado é a sua vida e a guitarra a sua voz. Armandinho deixa para a História uma técnica e músicas que continuam a influenciar as novas gerações de guitarristas de fado.»

1884-1960
medico, político, escritor e historiador
«A sua vida é um combate pela liberdade. Da greve académica em 1907, até aos bancos da Assembleia Nacional, este intelectual beirão, amante da terra portuguesa, mas forçado ao exílio, está sempre pronto a largar os livros para lutar contra as ditaduras. Enquanto esse dia não chega, Jaime Zuzarte Cortesão, nascido em 1884, em Ançã, Cantanhede, assina discursos exaltados, poemas heroicos e faz aquilo que mais gosta. Escreve a História que se lê como o prazer de um romance.»

1878-1911
médica e feminista
primeira mulher a votar em Portugal
«Médica-cirurgiã, ativista e sufragista, dividiu as mulheres e uniu os homens. Carolina Beatriz Ângelo, natural da Guarda, foi a 1ª mulher a operar no Hospital de S. José. Derrubou preconceitos. Ganhou e perdeu batalhas. Onde muitos ergueram muros, ela abriu portas, escolhendo sempre o caminho mais difícil: o de não desistir. Foi a primeira mulher a votar em Portugal. Em Maio de 1911 entra numa sala cheia de homens e arriscando a sua reputação...fica na História!»

1868-1933
padre, cientista e inventor
precursor do aproveitamento da energia solar
«Visionário e inventor é padre, cientista e um enigma. Toda a sua vida é uma busca pelo saber. Interessa-se por religião, medicina, engenharia, economia, ecologia e educação. Para este padre nascido em Cendufe, em 1868, a ciência é um instrumento para o bem comum. Incompreendido pelos seus contemporâneos, Manoel António Gomes mais conhecido como Padre Himalaia vive muito à frente do seu tempo. Mas a História dar-lhe-á razão.»

1862-1931
revolucionário republicano
pioneiro do cinema, realizando o primeiro filme em Portugal
«Comerciante de sementes, com gosto pelas flores, captou com a sua máquina fotográfica e o seu imenso talento os últimos dias da monarquia. Apaixonado por tudo o que fazia, Aurélio Paz dos Reis, nascido no Porto, fotógrafo e pioneiro do cinema em Portugal, viveu para provar que uma imagem vale mais que mil palavras. Um dia, saiu à rua imortalizando um acontecimento trivial num dos marcos da História do país.»

1854-1929
escritor e militar
orientalista
«Segue os passos de Camões, Fernão Mendes Pinto e Camilo Pessanha. Parte para as terras do sol nascente. Vive em Macau. Visita a China e apaixona-se pelo Japão. Como não consegue levar Portugal para o Oriente tem a obsessão de trazer o Oriente para Portugal. A história de Venceslau José de Sousa Morais, nascido em 1857, em Lisboa, é um convite à viagem, à descoberta e ao exótico, tudo para que a nossa vida seja um livro de aventuras e não um conto de banalidades.»

1850-1898
oficial da Marinha portuguesa
explorador do continente africano
«Transforma um desafio numa paixão. A grandiosidade da paisagem africana, a surpresa da descoberta de novas terras, animais e costumes são o seu dia-a-dia em viagens solitárias e incertas. Numa época em que Portugal precisa de heróis para defender os seus territórios em África, o jovem explorador não hesita e parte para o desconhecido. Roberto Ivens, nascido em 1850 em Ponta Delgada, Açores, conhecido pelos companheiros de infância pela alcunha de Roberto do Diabo, suporta o cansaço, a fome, a sede, as febres e o desespero e caminha milhares de quilómetros para entrar na História.»

1843-1897
médico e professor universitário
benfeitor público
«A Medicina é a sua vida e a sua religião. Nasce no povo e chega a médico da família real, mas não esquece as suas origens. Vai aos bairros pobres de Lisboa tratar e dar auxílio. Percorre o país e a Europa em busca de conhecimento. Afasta charlatães e curandeiros. Não acredita em mezinhas e rezas. José Thomaz de Sousa Martins, nascido em 1893 em Alhandra, cria uma legião de admiradores em vida que o idolatra na morte. Nasce para ser médico fica para a História como santo.»

1872-1956
aristocrata, escultora
fundadora das Cozinhas Económicas
«Aristocrata numa sociedade burguesa, artista no meio de homens, lutadora entre operários miseráveis. Na arte procura o ideal de beleza, na rua enfrenta a realidade da pobreza. Vive em palácios, trabalha em cozinhas. Sonhadora de impossíveis, Dª Maria Luísa de Sousa Holstein Beck, 3ª Duquesa de Palmela, deixa para a História uma obra social tão duradoura como as suas esculturas.»

1828-1912
poeta, ensaísta
gastrónomo
«Nascido em Bilbau, filho de pai português e mãe espanhola, poeta, monárquico, memorialista, burocrata, gastrónomo e amante de caça percorre os ambientes boémios de Lisboa, nos finais do séc. XIX, em busca de glória. Raimundo António de Bulhão Pato ficará para a História não pela sua veia poética mas pelo nome do petisco que nunca cozinhou mas ao qual deram o seu nome.»

RTP (Langform).svg

Sem comentários:

Publicar um comentário